13 de jul de 2007

PANico

Aí, esse é pra quem gosta de cinema.

http://www.65anosdecinema.pro.br/

abraços

"Quartas no Arquivo"

Dia 4/7, às 15h
Palestra: "Do underground brotam flores do mal: anarquismo e contracultura na imprensa alternativa brasileira (1969-1992)" , João Henrique C. Oliveira - Mestre em História Social (UFF)

Arquivo Geral da Cidade do RJAmoroso Lima, 15Cidade Nova (21) 2273 3141/4582arquivog@pcrj. rj.gov.Br

IV Sarau dda Comuna do Outeiro da Glória!
Após uma temporada de recesso – excessivamente longa – a Comuna da Glória, mantendo-se firme na proposta de atuar como espaço meta-residêncial, tem o júbilo eufórico de convidá-los para o tão aguardado IV Sarau do Outeiro! O evento, como de costume, será regado a quantidade hercúleas de álcool e a porções dionisíacas de música e poesia. Aqueles que estiverem dispostos a se aventurar nesta empreitada, aviso: as atividades começam no dia 14, às 18h, e só vão encontrar termo dia 15, às 6 da manhã. Compramos tapa-ouvido para os vizinhos, preparamos o comitê de boas vindas para a PM e convidamos o Sargento Lira para o encontro, não se preocupem!!!
Para aqueles que ainda não participaram de nossos saraus, os avisos. Seguindo Dante ao contrário, avisamos: aqueles que passarem pelos umbrais da Comuna, que venham munidos de esperança nos ideais emancipatórios, democráticos, humanistas e libertários! E de preferência também de uma biritinha, ou de qualquer outro tipo de substância, sólida ou líquida, de comer ou de beber, legal ou ilegal. Na longa jornada noite adentro, saudamos todos aqueles que ousarem adentrar neste amoroso aparelho.

Local: (in)dependências da Comuna da Glória.
Rua Antônio Mendes Campos, 57, apt. 506.
Glória.

Indicações: a Comuna localiza-se num pequeno logradouro que nada mais é além de uma continuação da Rua do Catete. O prédio se encontra incrustado entre o restaurante Amarelinho da Glória e o (m)hotel Love Time. Para chegar de metrô basta saltar na estação Glória. De ônibus, recomenda-se o uso de 434, 572, 571, 497, 422, assim como qualquer outro que passe pela já citada Rua do Catete.

Contatos.
1. Telefônicos: 2245-0113, 8288-5942 (jM-ladeira), 3904-0443 (Cassio Brancaleone)
2. Via e-mail: comunadagloria@bol.com.br, joaomartinsladeira@gmail.com, cassiocomunardo@yahoo.com.br
3. Mediúnicos: João tem Ogum como santo de cabeça, Cássio, Exu. Atende-se para trabalhos as quintas, sextas e sábados. Búzios recomendados às segundas e terças. Para a vovó, atendimentos 24h.

Quase sério
Piada maldosa que circula no território livre da internet:

Conversa de três amigos, aposentados:
– O que você tá fazendo na vida, Toninho (ex-executivo da Pirelli)?
– Bem... Eu montei uma recauchutadora de pneus. Não tem aquela estrutura e organização da Pirelli, mas vai indo muito bem.
– E você, José (ex-gerente de vendas da Shell)?
– Eu abri um posto de gasolina. Também não tenho a estrutura e a organização da Shell, mas estou progredindo.
– E você, Antônio (ex-alto funcionário do Congresso Nacional)?
– Eu montei um puteiro.
– Um puteiro???
– É, um puteiro!!!
– É claro que não é aquela zona toda que é o Congresso Nacional, mas já está dando lucro!!!

fonte:http://oglobo.globo.com

21 de jun de 2007

Olha bem o que pode fazer um cliente
Olha bem o que pode fazer um cliente Na Inglaterra um réu estava sendo julgado por assassinato . Havia evidências quase indiscutíveis sobre a sua culpa, mas o cadáver não aparecera. Quase no final da sua sustentação oral, o advogado, temeroso de que seu cliente fosse condenado, recorreu a um truque: - "Senhoras e senhores do júri, senhor Juiz, eu tenho uma surpresa para todos", disse o advogado, olhando para o seu relógio. "Dentro de dois minutos, a pessoa que aqui se presume assassinada, vai entrar na sala deste Tribunal." E olhou para a porta; os jurados, surpresos, também ansiosos, ficaram olhando para a porta. Decorreram-se dois longos minutos e nada aconteceu. O advogado, então, completou: - "Realmente, eu falei e todos vocês olharam para porta com a expectativa de ver a suposta vítima. Portanto, ficou claro que todos têm dúvida neste caso, se alguém realmente foi morto; Por isso insisto para que vocês considerem o meu cliente inocente." Os jurados, visivelmente surpresos, retiraram-se para a decisão final. Alguns minutos depois, o júri voltou e pronunciou o veredicto: - "Culpado!" - "Mas como?" perguntou o advogado... " Eu vi todos vocês olharem fixamente para a porta, é por se concluir que estavam em dúvida! Como condenar na dúvida?" E o juiz esclareceu: - "Sim, todos nós olhamos para a porta, menos o seu cliente ..."
MORAL DA HISTÓRIA: "NÃO BASTA TER UM BOM ADVOGADO SE O CLIENTE FOR UM MERDA"..

A programação da FLIP vai além da literatura
A programação da FLIP vai além da literatura. O cinema também ocupa lugar de destaque, com várias atrações na Casa de Cultura de Paraty. A mais importante delas será a estréia do documentário Português, a língua do Brasil, de Nelson Pereira dos Santos, que oferece uma visão panorâmica da diversidade lingüística do Brasil por meio de depoimentos de membros da Academia Brasileira de Letras.
Logo após a apresentação do filme, no dia 7 de julho, haverá um debate com o cineasta, que também pertence à ABL. A V FLIP será realizada de 4 a 8 de julho, em Parati, com a participação de mais de 40 escritores nacionais e internacionais. O evento é uma realização da Associação Casa Azul, com o patrocínio do Unibanco e da TIM, mais apoio de Visa e Eletronuclear.
Como o homenageado da FLIP deste ano será o escritor Nelson Rodrigues, nada melhor do que rever clássicas adaptaçõescinematográficas de alguns de seus textos e conhecer um registro filmado de montagem teatral. O longa-metragem Toda nudez será castigada, dirigido por Arnaldo Jabor em 1973, é uma das melhores transposições do universo rodrigueano para as telas. Boca de ouro, realizado por Nelson Pereira dos Santos em 1962, com Jece Valadão no papel central, é outro filme fundamental no repertório de adaptações.
Vestido de noiva, de 2001, marcou a estréia de Joffre Rodrigues, filho do dramaturgo, como diretor de cinema. Uma peça filmada está programada: Boca de ouro, dirigida por Zé Celso Martinez Corrêa e filmada por Tadeu Jungle. Os três filmes e a peça filmada serão apresentados ao público pelos próprios realizadores.
fonte: Portal da Propaganda

12 de jun de 2007

AM$R OU AM?R?
Amor... Sentimento eterno enquanto dura, como dizia Vinícius de Moraes, a fim de caracterizar a ausência de permanência, a finitude dessa experiência humana ímpar; por outro lado, amar indica uma eterna busca pela nossa outra metade, como dizia o poeta Aristófanes, na obra "O Banquete", de Platão, para determinar a incessante procura desse outro "eu" que nós não sabemos onde está nem quem seja. Por conseguinte, há muitas correntes de pensamento que discordam, acreditando ser o amor ora duradouro, como nos dizem os poetas e os apaixonados, ora tão efêmero, como a própria existência humana.
Na Idade Média, os escolásticos classificaram o amor como pecado; os pensadores modernos exaltaram-no, em virtude dos novos valores em ascensão; durante a Revolução Industrial, o matrimônio, meio para se ter prole e mão-de-obra barata, transforma o amor em algo entediante. Hoje, não tão diferente, ele é compreendido como um jurássico sentimento: reificado, transformou-se numa mercadoria, mero objeto descartável.
Amar e ser amado corresponde a uma busca intermitente que, de tão complexa, a primeira pessoa que encontramos já julgamos ser a nossa cara metade, o ser andrógino. Condenados, como escreveu Aristófanes, sentimo-nos separados, punidos por nossos ultrajes aos deuses olímpicos, embora o tempo todo desejássemos, nem que fosse por um curto período, o reencontro.
Atualmente, o amor foi banalizado, deixou de ser gratuidade para ser uma troca mercantil. Semelhante a um objeto, ele se transformou em um sentimento cobrado, que pode, estranhamente, ser comprado e, por conseguinte, substituído, como indica a rotatividade das relações amorosas. Assim, o amor contemporâneo, como os produtos perecíveis nas prateleiras dos supermercados, tem data de validade.
Ora, então, devemos amar ou não amar?
Amar e não ser amado é, indubitavelmente, um mal menor do que não tentar amar. Todavia, sendo gratuidade, melhor quem ama, ainda que não correspondido, do que quem, por insegurança, não procura amar. Porquanto, de acordo com o pensamento filosófico de Heráclito, tudo está em constante movimento e transformação; por conseguinte, quem não ama poderá ser amado, quem não é amado, poderá tentar amar, quem não é correspondido, poderá sê-lo, com todos os riscos que as tentativas implicam. Ademais, oferecer o nosso amor para quem não quer ser amado apenas potencializa a capacidade humana de arriscar-se. Ainda que não dê certo, o mais importante é que, como afirmaria Martin Buber, nós nos abrimos para o outro, sem temê-lo. Sendo assim, uma pessoa pode dar e exigir o amor ou dar e esperar pacientemente a reciprocidade; exigido, cobrado, trocado, de forma subjacente se crê que ele é comercializável, portanto, com o tempo poderá ser substituído; a respeito daquele que dá e aguarda pacientemente a consumação recíproca dos amores, revela uma identidade eminentemente humana, caracterizada pelo espírito do risco. Com efeito, melhor do que não tentar, sob o medo de se arrepender, é tentar e enfrentar todas as conseqüências, todas as renúncias requeridas pela vida a dois, haja vista que a beleza da existência humana reside aí: em um universo cheio de problemas, de incertezas e medos, o verdadeiro ser humano revela, por própria escolha, que não tem medo de tentar ser feliz.
Benedito Luciano França

7 de jun de 2007


6 de jun de 2007

VEM PRA RUA MORADOR!
Ocupação Cultural
Presenças confirmadas:
# Passeata 10
# Os Periféricos
# Rapper Menezes
# Bloco se Benze que dá
# Cine Maré
# Coletivo Hip-Hop Luta Armada
# Cia de Teatro Marginal

E mais:
Dança, Música, Teatro, Grafite, Circo, Poesia....
LOCAL: Quadra do Rubens Vaz
(Rua João Araújo, s/n – entrada pela passarela 10 Av. Brasil, sentido Zoa Norte)
Rio – RJ
02 de Junho (sábado)
A partir das 14:00
Campanha diga não ao caveirão!!!!
www.caveiraonao.org

AMORJ – 20 ANOS – Arquivo de Memória Operária do Rio de Janeiro
Seminário Velhos e Novos Direitos do Trabalho no Brasil
DATA: 20 e 21 de junho de 2007
Local: INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS
Largo do São Francisco, S/N, 2º Andar – Salão Nobre – Centro / RJ
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Inscrições e Informações: www.amorj.ifcs.ufrj.br ou amorj@ifcs.ufrj.br

1 de jun de 2007

CONTO - O idiota e a moeda

Conta-se que numa cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia. Um pobre coitado, de pouca inteligência, vivia de pequenos biscoitos e esmolas. Diariamente eles chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas. Uma grande de 400 tostões e outra menor, de 2.000 tostões. Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos. Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos. - Eu sei, respondeu o tolo, ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar a minha moeda.
Pode-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.
Primeira: Quem parece idiota, nem sempre é.
Segunda: Quais eram os verdadeiros idiotas da história?
Terceira: Se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.
Quarta: A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito. Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, o que realmente somos.
Obs.: Tudo bem leitores, não teve graça, mas é legal!!!
Fonte:Adauto Marin Molck / Cosmo On Line

Tardes Libertárias
“Cena libertária na Espanha – repressão aos movimentos anti-sistema”
conversa com Miguel Castro (cineasta, autor do vídeo A Tornallon, premiado em vários festivais na
Europa; membro da FARJ)
Dia 2 de junho de 2007 (sábado)
14:00h
Centro de Cultura Social
Rua Torres Homem, 790 – Vila Isabel

17 de mai de 2007